A cada dia, 14 pessoas são vítimas de estupro no Paraná. Segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2017 foram registradas 4.952 ocorrências no estado, que ficou em terceiro entre todas as unidades da federação. Apenas São Paulo (11.089) e Minas Gerais (5.199) tiveram mais casos de violência sexual, enquanto o Rio de Janeiro registrou número igual ao paranaense - só que a taxa carioca é menor, com 29,6 estupros para cada 100 mil habitantes contra 43,7 no Paraná.
No ano passado, o número de ocorrências de estupro teve alta de 9,5% no Paraná, sendo que em 2016 haviam sido 4.493 registros desse tipo de crime. Historicamente, algo entre 80 e 85% desses casos a vítima é do sexo feminino.
Os dados do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado ontem, ainda revelam uma queda de 10% no número de homicídio de mulheres, que passou de 200 em 2016 para 180 no ano passado. Contudo, os casos de feminicídio (o assassinato de mulheres em contextos marcados pela desigualdade de gênero  ) tiveram leve alta, subindo de 20 para 21, enquanto os de violência doméstica contra mulheres (lesão corporal dolosa) subiram de 12.744 para 12.854 no período, com alta de 0,9%.

A cada dia, sete mortes violentas
Com relação às mortes violentas intencionais, os dados do Fórum apontam para uma importante queda no Paraná. Em 2017, foram registrados 2.555 mortes desse tipo, queda de 13,1% na comparação com 2016, quando haviam sido 2.940 registros.  A redução se deve, principalmente, às quedas nos registros de homicídios dolosos (que passaram de 2.498 em 2016 para 2.187 em 2017, queda de 12,5%), de latrocínios (de 117 para 67, com redução de 42,7%) e de lesão corporal seguida de morte (de 60 para 36, variação negativa de 40%). 

Menos qualidade
Com base em cinco eixos (o conceito de homicídios, as informações registradas sobre vítima, fato e suspeito; a perda de informações sobre vítima, fato e suspeito; o grau de convergência com a fonte oficial da área da saúde; e a transparência), o Anuário traz uma espécie de ranking que avalia a qualidade dos registros estatísticos oficiais de Mortes Violentas Intencionais. E o Paraná, que nas edições anteriores do estudo aparecia no Grupo 1 (dos mais bem avaliados), desta vez foi rebaixado ao Grupo 2, aparecendo apenas na 21ª colocação entre as 27 unidades da federação. A má avaliação paranaense se deve, principalmente, às informações perdidas.

Os principais dados do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública