A Páscoa é considerada a primeira data comemorativa importante para o varejo no ano. Por isso, a expectativa para a data serve de termômetro para o resto do ano. E, por enquanto, a 25 dias da Páscoa, a expectativa é positiva. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) projeta crescimento nas vendas de 3,5% no setor de supermercados e lojas do ramo. Na Páscoa de 2017, o setor havia crescido 2,99% em comparação ao mesmo mês de 2016.
O setor costuma movimentar bastante na contratação de temporários. Entre fabricação dos produtos e vendas, a estimativa era a de contratação de até 55 mil funcionários, 9% a mais que no ano passado. O estado do Paraná deve contratar em torno de 3 mil colaboradores especificamente para atender às demandas de Páscoa.
A Barion, que tem fábrica e loja em Colombo, teve incremento de 10% em seu projeto de Páscoa, em relação à 2017, com 110 contratações temporárias para este ano, realizadas desde outubro para sua linha de produção. “Para a parte comercial, que envolve pós-produção e vendas, prevemos ainda a contratação de 20 pessoas. Isso porque temos apenas uma loja, que é a nossa loja de fábrica, onde esperamos a visita de cerca de 11 mil pessoas até o final da Páscoa”, diz a diretora de Marketing da empresa, Fernanda Barion.
O estudo da Fecomércio destaca ainda que outros produtos como cervejas, azeites e peixes em geral também deverão fazer parte das compras, e aquecer o mercado até o dia 1º de abril.

Outros produtos na cesta
A pesquisa da Fecomércio mostra ainda que não é só o chocolate que entra na cesta do consumidor nesta época. A cada ano, vem se ampliando o leque de opções de produtos comercializados, desde vestuário e calçados, livrarias e papelarias, alimentação e outras formas, especialmente para o público infantil, considerando-se a postura de muitos pais de evitar que seus filhos consumam doces e chocolates em excesso.
Com isso, além da venda de chocolate, outros setores também sentem o movimento na vendas para a data.