LAS VEGAS — O atirador Stephen Paddock transferiu US$ 100 mil (R$ 316 mil) para uma conta aberta no país de origem da namorada, Marilou Danley, uma semana antes de abrir fogo contra espectadores de um festival em Las Vegas e deixar ao menos 59 mortos. Segundo a rede NBC News, que cita "múltiplas autoridades" como fontes, o contador aposentado enviou o dinheiro, mas não está esclarecido o motivo da transação.
A transferência da quantia é mais uma das peças da investigação que esbarram no questionamento: "Por quê?". Perplexos, os Estados Unidos tentam definir a motivação do americano em levar consigo 23 armas para o quarto do hotel Mandalay Bay e disparar contra a multidão. A NBC ressalta que não é possível dizer se o dinheiro era endereçado a Marilou, à família dela ou a outro propósito.

A namorada, de 62 anos, viajou para Hong Kong em 25 de setembro, há uma semana, e estava nas Filipinas quando Paddock realizou o maior ataque armado da História moderna do país. A polícia chegou a lançar buscas por Marilou e descrevê-la como uma pessoa associada ao autor do massacre. Após ouvi-la, porém, os agentes consideraram, em primeira análise, que a mulher não estava envolvida.

Marilou Danley, companheira do atirador de Las Vegas, foi localizada pela polícia e prestará depoimento - Reprodução Facebook

 

Marilou deve retornar aos Estados Unidos nesta quarta-feira, segundo as autoridades. Ela nasceu nas Filipinas, é cidadã australiana e morava em solo americano.

"Nós conversamos com ela e acreditamos que, neste momento, ela não esteja envolvida. Mas é claro que a investigação continua. Ela não estava (com Paddock) quando ele fez o check-in. Nós descobrimos que ele usou documentos dela", destacou o xerife de Las Vegas, Joe Lombardo.