Preesa suspeita de integrar uma quadrilha de assalto a banco, a jovem Lúbia Camilla Pinheiro Gorgete teve a prisão domiciliar concedida na segunda-feira (22) pelo juízo da Vara única de Poconé, a 104 km de Cuiabá. Ela e outras 12 pessoas foram presas no dia 4 de maio durante a operação Luxus, da Polícia Civil. De acordo com o Portal da Transparência, do governo federal, Lúbia é beneficiária do Bolsa Família desde 2015.

Os integrantes da organização da qual ela fez parte ostentavam com viagens, carros de luxo e barcos, custeados com dinheiro proveniente dos roubos, segundo a Polícia Civil. Fotos divulgadas por eles em redes sociais levantaram a suspeita.

De acordo com a sentença, a prisão preventiva de Lúbia foi substituída pela prisão domiciliar. O advogado da suspeita, Rafael Moreira, formulou o pedido alegando que ela tem duas filhas menores de idade e uma delas "não tem com quem ficar”.

A partir da soltura, Lúbia deve ser monitorada por tornozeleira eletrônica e cumprir obrigações como receber a fiscalização de monitoramento e manter informações sobre moradia e trabalho atualizadas.

 

Segundo a polícia, integrantes do grupo ostentavam em viagens, festas e passeios de luxo (Foto: Facebook/Reprodução)

Ela foi presa e é acusada de integrar a quadrilha que assaltou pelo menos 10 agências bancárias no estado. Segundo a Polícia Civil, ela não tem relação direta com os crimes, mas tem ligação com os assaltantes, mas usufruía de viagens e passeios de luxo pagos com o dinheiro roubado.

A polícia passou a monitorar a quadrilha há 6 meses. Segundo as investigações, os integrantes do bando ostentavam em fotos publicadas nas redes sociais. Eles se exibiam em carros e barcos de luxo, viagens ao Rio de Janeiro, festas e passeios de helicóptero.

A jovem, poré, segundo o Portal da Transparência, recebe benefícios do Bolsa Família. Nos últimos dois anos, pouco mais de R$ 3,6 mil foram destinados para Lúbia. Em 2017, ela sacou R$ 326. Em 2015 e 2016, ela recebeu R$ 1,4 mil e R$ 1,8 mil, respectivamente.

 

Homem apontado como líder da quadrilha se autodenomina de 'Showman' em fotos na web (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Além dela, Gilberto Silva Brasil, apontado como chefe da quadrilha e que se autodenominava ‘Showman, foi preso’. Na web, ele posou para fotos em pontos turísticos do Rio de Janeiro e em eventos no sambódromo, durante o carnaval deste ano. O G1 não conseguiu localizar a defesa do suspeito até a publicação desta reportagem.

 

Operação Luxus

 

A operação deflagrada pela Polícia Civil em Cuiabá, Várzea Grande e em Poconé, a 104 km de Cuiabá, tinha o objetivo de cumprir 22 mandados de prisão preventiva e 14 mandados de busca e apreensão. Os mandados foram decretados pela 7ª e 5ª varas criminais de Cuiabá e também pela Vara Criminal da comarca de Poconé. A operação conta com 70 policiais civis.

De acordo com a polícia, os bandidos cometiam os crimes, geralmente, aos finais de semana, e deixavam um rastro de destruição nas instalações físicas das agências, além de deixar a população sem os serviços bancários.