Ganhar é difícil, mas manter-se no topo é mais complicado ainda, dizem muitos esportistas. Depois de quebrar um tabu de 12 anos sem conquistas do Havaí no Circuito Mundial, John John Florence se diz motivado para buscar o bi este ano. O último havaiano a obter sucesso na defesa de título foi Andy Irons, falecido em novembro de 2010. Campeão mundial em 2002, Irons repetiu o feito em 2003 e 2004, antes de australianos, americanos e brasileiros iniciarem uma era de domínio na elite do surfe.

Fã do lendário surfista de Kauai, John John inicia nesta terça a sua participação no Rio Pro, em Saquarema, a quarta etapa do Circuito Mundial deste ano. O campeão mundial estreia na bateria 6 contra os brasileiros Miguel Pupo e Yago Dora - o SporTV.com transmite ao vivo a competição, cuja primeira chamada está prevista para acontecer às 7h.Seria maravilhoso conseguir este feito depois do Andy, ele é meu ídolo. Vou dar o meu melhor e vamos ver. Não sei se defender o título é mais difícil do que ser campeão, me pergunta isso de novo no fim do ano (risos). Não sinto mais pressão, sinto que estou mais inteligente, que amadureci um pouco, estou com pranchas melhores e parece que tudo está acontecendo mais rápido do que no ano passado - afirmou John John, líder do ranking com 23.000 pontos.

Campeão da etapa brasileira em 2012 e 2016 - ambas no Rio -, John John revelou que se sente cada vez mais à vontade no Brasil. Sempre atencioso com os fãs, o havaiano costuma aproveitar a energia do público para buscar um algo a mais dentro da água.

- O público no Brasil é incrível. As pessoas são tão apaixonadas, mais do que em qualquer outro lugar no Tour. É incrível. Isto faz com que você eleve os limites do surfe, ouvir as pessoas gritando... Estou ansioso para saber como será a torcida neste ano em Saquarema. No ano passado, no Rio, a etapa foi um sucesso e muito divertido também, estou curioso para ver como vai ser esse ano - disse.

Com dois terceiros lugares e um título nas três primeiras etapas deste ano, John John vem sendo treinado, desde março, por Ross Williams, ex-analista da WSL. Segundo o camiseta amarela, a experiência de Ross tem sido fundamental na sua evolução.

 

John John Florence lidera o ranking com 23.000 pontos (Foto: WSL/Sloane)

- Nós temos trabalhado em uma série de coisas, desde as pranchas, e ele tem me ajudado muito. Ele tem todo o conhecimento do tempo em que foi comentarista e também do período em que esteve no Tour. Ele tem uma sabedoria infinita. Estamos com uma boa equipe e tem sido muito divertido viajar com todos - destacou.

A janela do Rio Pro vai até o próximo dia 20 de maio. Quarta etapa do Circuito Mundial, a competição terá com palco principal a Praia de Itaúna. O palco alternativo foi montado na localidade conhecida como Barrinha, também em Saquarema. O evento terá a participação de onze surfistas brasileiros. O último a entrar no torneio foi o baiano Bino Lopes, convidado para o lugar de Kelly Slater, que desistiu de última hora, alegando uma lesão nas costas. Veja as baterias da primeira fase:

1: Gabriel Medina (BRA), Ezekiel Lau (HAV), Nat Young (EUA) 
2: Adriano de Souza (BRA), Wiggolly Dantas (BRA), Jadson Andre (BRA) 
3: Owen Wright (AUS), Jeremy Flores (FRA), Leonardo Fioravanti (ITA) 
4: Kolohe Andino (EUA), Josh Kerr (AUS), Jesse Mendes (BRA) 
5: Jordy Smith (AFS), Jack Freestone (AUS), Bino Lopes (BRA) 
6: John John Florence (HAV), Miguel Pupo (BRA), Yago Dora (BRA) 
7: Filipe Toledo (BRA), Frederico Morais (PRT), Ethan Ewing (AUS) 
8: Matt Wilkinson (AUS), Adrian Buchan (AUS), Ian Gouveia (BRA) 
9: Joel Parkinson (AUS), Connor O'Leary (AUS), Joan Duru (FRA) 
10: Michel Bourez (TAH), Mick Fanning (AUS), Bede Durbidge (AUS) 
11: Sebastian Zietz (HAV), Conner Coffin (EUA), Kanoa Igarashi (EUA) 
12: Julian Wilson (AUS), Caio Ibelli (BRA), Stuart Kennedy (AUS)